terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Homem mata filha grávida, neto e genro na Zona Sul de São Paulo

A Polícia Civil ainda investiga o que motivou o crime.
O caso foi registrado no 35º Distrito Policial, no Jabaquara.


Um homem matou a filha grávida, o neto de 3 anos e o genro nesta segunda-feira (16) no Jabaquara, Zona Sul de São Paulo, de acordo com a Polícia Militar (PM).
Em seguida, o motorista de 56 anos se matou. Ele chegou a ser levado para um hospital da região, mas não resistiu.
A Polícia Civil ainda investiga o que motivou o crime. O caso foi registrado no 35º Distrito Policial.

Fonte/G1

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Polícia pede quebra do sigilo telefônico de dona de casa morta


Vítima foi encontrada desfigurada em Mairiporã, na Grande SP.
Polícia teve acesso às imagens das câmeras do prédio onde ela morava.

 

A Polícia Civil vai pedir a quebra do sigilo telefônico e da internet usada no computador da dona de casa Geralda Lúcia Guabiraba, de 54 anos, encontrada morta no sábado (14) com o rosto desfigurado, sem os olhos e sem a pele do rosto.
Parentes disseram à polícia, no entanto, que os últimos números que constam do celular dela são de pessoas conhecidas. Tanto o aparelho celular quanto o computador utilizada por Geralda serão enviados nesta terça-feira (17) ao Instituto de Criminalística, em São Paulo, para ser periciados.
A mulher saiu sozinha de sua casa às 23h30 de sexta-feira (13). A Polícia Civil já teve acesso às imagens das câmeras de segurança do edifício onde ela morava, em Mairiporã, na Grande São Paulo. Policiais responsáveis pelo caso dizem que o crime pode ter relação com um ritual de magia negra ou com vingança. Inicialmente, a polícia trabalhava apenas com a hipótese de o assassinato ter sido cometido em um ritual, já que o corpo foi encontrado com um ferimento profundo no pescoço, em um local conhecido como Pedra da Macumba, na altura do km 8 da Estrada de Santa Inês.
“Existe a possibilidade de vingança, mas isso vai depender do depoimento de familiares e do que eu conseguir no computador”, disse a delegada Cláudia Patrícia Dalvia, titular da delegacia central de Mairiporã. Ela se negou a dar mais detalhes para não atrapalhar as investigações.
Nesta manhã, Cláudia voltou a afirmar que a dona de casa era “pacata e recatada”. A mulher era casada com José Pereira Guabiraba, diretor comercial do Grupo Estado.
Mairiporã (Foto: Editoria de Arte/G1) Até esta manhã, a Polícia Civil não tinha recolhido nenhum depoimento formal. Familiares e o porteiro do prédio vão ser ouvidos nesta terça-feira (17), mas em local não divulgado, para evitar o contato deles com a imprensa.
A Polícia Civil também vai solicitar as imagens de uma câmera da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que está no trajeto entre a casa da vítima, na Zona Norte de São Paulo, e o local do crime.
Perícia
O carro da vítima já foi periciado. No interior do veículo foram encontrados um copo de alumínio e uma garrafa plástica. Nos dois recipientes havia uma substância branca que será analisada. A polícia, entretanto, acredita que isso tenha sido usado para sedar a vítima.

Ainda segundo a polícia, ela foi morta do lado de fora do carro. O corpo foi encontrado após uma denúncia feita pelo telefone 190. Do lado do corpo estavam três cestas de vime vazias. O corpo tinha um corte profundo no pescoço. Um pedaço de vidro foi encontrado no local, mas a polícia ainda não sabe se ele foi usado para ferir Geralda. A vítima usava um escapulário – objeto religioso usado por católicos.
Segundo os familiares, a vítima não costumava sair de casa no momento em que foi vista deixando o prédio.
O marido de Geralda tomava medicamento para dormir e, por isso, não viu a mulher sair de casa. Ele deverá prestar depoimento quando tiver condições, segundo a delegada, já que está muito abalado. O enterro foi realizado na manhã de domingo.

Fonte/G1

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Jovem de 15 anos manda namorado traficante matar o próprio pai na Bahia

Foi sepultado às 14h desta segunda-feira (14), no Cemitério Municipal de Plataforma, o corpo do funileiro Miguel Teixeira Barros, de 57 anos, que foi morto com três tiros, na manhã de ontem (13), no Jardim Campo Verde, em Barro Duro (CIA), na Região Metropolitana de Salvador (RMS).
O crime foi cometido por volta das 7h por dois traficantes da região, de prenome Lucas e Rodrigo, que estão foragidos. Um dos assassinos namorava a filha de Miguel, M.B, de 15 anos. Ele, inclusive, teria cometido o crime por pressão da adolescente.
A garota foi detida no fim da tarde na casa de uma amiga, também menor, na Fazenda Grande. Ela foi levada para a Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), onde prestou depoimento, e encaminhada ao Ministério Público Estadual.
De capuz rosa, filha de funileiro foi apreendida e conduzida ao Ministério Público - Foto: correio24horas

Estupro
Segundo a polícia, a jovem contou que o pai teria tentado abusar dela sexualmente na noite de sábado. Ontem pela manhã, ela ligou para o namorado contando da suposta tentativa de estupro.
O rapaz, então, chamou alguns amigos, que foram até o encontro do pai da jovem. Eles atiraram no rosto, no pescoço e na perna do funileiro. Depois, abandonaram o corpo em um terreno próximo à rua em que Miguel morava.
Na polícia, os familiares da vítima disseram não acreditar na hipótese de estupro contada pela menina e informaram que ela é uma garota rebelde. (Correio24horas com adaptações)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

REVIRAVOLTA NO CASO O ASSASSINO NÃO ERA O PAI DA VITIMA E SIM AMÁSIO:

Tragédia familiar: com ciúmes, pai atira na cabeça da filha e depois comete suicídio..

Fotos: Reprodução/Ney Silva/Acorda Cidade
Fotos: Reprodução/Ney Silva/Acorda Cidade
A jovem estuda odontologia na Uefs. O pai da vítima deixou um bilhete em que afirmava sofrer de depressão, e que estaria com a filha para sempre

Feira de Santana/BAPor ciúmes, um homem atirou na cabeça da própria filha na manhã desta segunda-feira (12), no município de Feira de Santana, a 109 km de Salvador, de acordo com informações da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam). O crime aconteceu por volta das 7h30min, no Conjunto Feira VI. A vítima, Raíssa Cristina Pereira Lemos, de 20 anos, estudante de odontologia na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).
O pai da vítima, Wilton Marques da Silva, foi visto pelos moradores da região esperando pela filha na praça em frente ao prédio onde ela mora com uma arma na mão. Quando a estudante saiu de casa a caminho da aula, acompanhada por amigos, o pai se aproximou da filha e pediu para conversar.
Durante a discussão, Wilson baleou a filha e em seguida deu um tiro no próprio maxilar. Os dois foram socorridos para o Hospital Geral Clériston Andrade, onde foram encaminhados para o centro cirúrgico da unidade, sendo que Wilson não resistiu aos ferimentos e morreu. O estado de saúde de Raíssa é gravíssimo.
Wilson tinha ciúmes da garota, ele deixou um bilhete com um pedido de desculpas. No bilhete, ele ainda dizia que sofria de depressão e que dessa forma estaria junto da filha para sempre. No bilhete ele também citava uma amiga da jovem e falava em mentira, traição e desprezo.

Atualizado às 20h (12/12/2011)
Morre estudante de odontologia baleada pelo pai
A estudante foi baleada na cabeça e passou por uma cirurgia, mas não resistiu. De acordo com a diretoria do hospital o quadro clínico de Raíssa Lemos se agravou e ela morreu no início da noite desta segunda-feira (12).
Fonte/www./routenews.com.br

REVIRAVOLTA NO CASO O ASSASSINO NÃO ERA O PAI DA VITIMA E SIM AMASIO:
Falso pai mata universitária e comete suicídio na Bahia


A estudante universitária Raissa Cristina Pereira Lemos, 20 anos, morreu no início da noite de segunda-feira, em Feira de Santana, a 109 km de Salvador (BA), após ser atingida por um tiro na testa disparado pelo companheiro, Wilson Marques da Silva. Imediatamente após cometer o crime, na manhã de ontem, o homem cometeu suicídio, atirando contra o próprio queixo. Segundo testemunhas, Wilson se passava pelo pai da jovem.
Inicialmente, a Polícia Civil acreditava que Wilson era pai da universitária, já que a jovem propagava essa versão entre os colegas do curso de Odontologia da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Ouvidos pela delegada Virgínia Paim, responsável pela investigação, os tios de Raissa informaram que a jovem fugiu da casa dos verdadeiros pais, em Goiás, aos 14 anos. Desde então, passou a morar com Wilson, também goiano, com quem mantinha um relacionamento amoroso. Ainda segundo os tios, a jovem mantinha contato permanente com os familiares, que sabiam do seu relacionamento com Wilson.
Entretanto, em Feira de Santana, Raissa se referia ao companheiro como pai. Segundo colegas da universidade, a jovem não costumava receber visitas em sua residência, no Conjunto feira VI.

Por/Saulo Prado
Fonte/Internete

domingo, 11 de dezembro de 2011

Carro capota, bate em poste e mata jovens em Mairinque, SP

Cinco rapazes estavam no veículo.
Segundo testemunhas, eles voltavam de uma festa.


Segundo testemunhas, eles voltavam de uma festa. (Foto: Mateus Soares/ TV TEM)
Outras três vítimas foram levadas ao PS da cidade.
(Foto: Mateus Soares/ TV TEM)
Um grave acidente foi registrado na manhã deste domingo (11) em Mairinque, interior de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, um carro com cinco jovens capotou e bateu contra um poste por volta das seis horas da manhã na avenida Alberto Cocozza, que dá acesso a zona rural, no bairro Guaianã. Dois morreram na hora. Um deles é Fábio Moretto, de 16 anos, sobrinho do prefeito da cidade Dennys Veneri. A outra vítima é Douglas de Araújo Cardoso, de 18 anos.
Os três jovens feridos foram encaminhados ao Pronto-Socorro da cidade. Segundo o médico que fez os primeiros atendimentos, todos estão conscientes e não correm risco de morte. Testemunhas afirmaram que os rapazes tinham acabado de sair de uma festa tradicional e iriam dormir em um sítio quando o condutor do carro perdeu o controle da direção. A polícia investiga as causas.

Fonte/G1 Sorocaba e Jundiaí

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Polícia apresenta suspeitos de matar adolescente em Hidrolândia (GO)

Corpo teria sido jogado no Rio Meia Ponte, no dia 12 de novembro.
Homens presos disseram à polícia que foram assaltados pelo menor.





Três homens foram presos na terça-feira (22) em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana, suspeitos de serem os responsáveis pela morte de um adolescente de 14 anos, no dia 12 de novembro deste ano, em Hidrolândia, na Região Metropolitana. Segundo a delegada Myrian Vidal, o motivo do crime foi uma vingança contra o menor, que teria assaltado os suspeitos meses antes.
De acordo com a delegada, a vítima e um amigo assaltaram dois dos suspeitos presos, levando uma caminhonete e R$ 2 mil.

A polícia chegou aos suspeitos depois que a mãe do menor registrou uma ocorrência de sequestro no dia 12. Como a Polícia Civil não tinha pistas sobre os sequestradores, começou a investigar a vida do garoto e descobriu que ele esteve envolvido no roubo da caminhonete e do dinheiro. Trabalhando com a hipótese de vingança, a polícia chegou ao trio, que confessou ter matado o menor.
“Eles preferiram não registrar a ocorrência do roubo do carro e do dinheiro, mas começaram a investigar os prováveis autores. Eles afirmam que antes que o garoto os matasse eles resolveram matá-los’, afirma a delegada Myrian Vidal.
Passagens pela políciaSegundo a delegada, dois dos suspeitos têm passagem policial e que o menor morto tinha passagem por uso de drogas e por dirigir sem habilitação. Os presos seguem detidos na Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai) de Aparecida de Goiânia e devem ser autuados por homicídio qualificado.
A mãe do adolescente assassinado, Josélia Coelho de Sousa, se disse surpresa com a denúncia de que o filho era infrator: “O impacto maior foi a surpresa de saber que ele estava envolvido com o crime, até mais do que saber que ele perdeu a vida. Eu não esperava isso dele. Em casa ele nunca transpareceu nada. Eu nunca deixei que nada faltasse para ele. Ele não tinha motivo para estar nessa vida”.
Crime
O crime aconteceu quando suspeitos presos seguiam para uma fazenda e encontraram o menino sozinho, em Aparecida de Goiânia. Segundo a polícia, eles dispararam cinco tiros contra o jovem, mas nenhum os atingiu. Eles capturaram o adolescente e os levaram para a beira do Rio Meia Ponte, em Hidrolândia. Ele teve as mãos e os pés amarrados e foi executado com um tiro na nuca. O corpo foi jogado no rio.

Fonte/G1

'Dava para ver os ossos', diz PM que socorreu garoto queimado por mãe

TV ligada e sofá rasgado teriam motivado agressão a menino de 10 anos.
Mulher foi presa e garoto está internado em estado grave na UTI em SP. 


Kleber Tomaz Do G1 SP
mãe fogo (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Desenhista foi presa por suspeita de torturar e
tentar matar o próprio filho (Foto: Kleber Tomaz/G1)

“Ele estava se desmanchando, o corpo dele se desmanchava, dava para ver os ossos nas mãos”, afirmou nesta quarta-feira (23) Marcelo de Melo Alves, soldado da Polícia Militar de São Paulo, ao relembrar como encontrou o estudante de 10 anos que teria sido queimado pela própria mãe, na madrugada desta terça (22). O menino teve queimaduras de segundo e terceiro graus em 27% do corpo. A mãe do garoto, a desenhista Sandra Gomes Bacelar, de 35, está presa na Penitenciária Feminina de Santana, na Zona Norte, por suspeita de ter queimado o próprio filho. A Polícia Civil a indiciou por tortura e tentativa de homicídio. Ela alega inocência e nega o crime.

Nesta manhã, o garoto ainda corria risco de morrer. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde, seu estado de saúde é considerado “grave para gravíssimo”.
O garoto está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Tatuapé, referência para queimados na cidade. Ele teve ferimentos no rosto, tórax, barriga, mãos, braços e pernas.

Segundo o soldado Alves, de 32 anos, o menino afirmou que estava dentro de casa, na Vila Esperança, deitado na cama, e sua mãe derramou álcool líquido nele quando se recusou a desligar a televisão. “Ele falou que ela jogou álcool e acendeu o fósforo para atear fogo. Depois, falou que ela o empurrou até o banheiro e ele abriu a torneira e se lavou”, contou o policial militar, que estava patrulhando a área num carro da corporação com o colega de profissão, o também soldado Felipe Goulart da Silva, de 31 anos.
strito Policial, em Ermelino Matarazzo, onde o caso foi registrado. Segundo o delegado adjunto Renato Batista de Oliveira, enfermeiras do hospital onde o estudante está internado disseram que ele contou que a mãe o queimou porque ele rasgou um sofá. “A informação que a gente tem é que ele estava deitado e levou uma surra dessa mulher porque rasgou o sofá. Ela, então, jogou álcool, ateou fogo, o levou para o banheiro e fechou a porta. E o menino ligou o chuveiro para apagar as chamas”, disse Oliveira. Sinais de embriaguez
Os dois policiais chegaram ao local após terem recebido um chamado da base. Uma vizinha havia telefonado para o 190 da PM sobre uma discussão e gritaria, possivelmente uma briga de casal. “Fomos para lá achando que se tratava disso, mas nos assustamos quando vimos um homem, com sinais de embriaguez, gritar na frente da casa, dizendo para socorrer o filho dele porque a mulher havia colocado fogo na criança sem motivo aparente. Como ele parecia estar bêbado e o menino estava se desmanchando no banco traseiro, não tivemos muito tempo para pensar. Meu colega [Silva] pegou o volante do carro do homem e o levou juntamente com o garoto até o hospital de Ermelino Matarazzo”, disse Alves, que entrou na residência e viu a mãe do menino.

A mulher estava embriagada, segundo o soldado. “Ela falou que estava bebendo na cozinha, ouviu gritos no quarto e viu o filho em chamas na cama. Ele teria feito uma brincadeira com álcool e fogo para chamar a atenção dela. Mas não acreditamos na história porque só eles estava queimado e a cama não”, afirmou Alves. “Ela estava com o braço queimado, dizendo que tentou ajudá-lo a apagar as chamas”.

Apesar da suspeita de embriaguez, nenhum exame de dosagem alcoólica foi feito no casal.
Segundo o soldado, a suspeita de que a mulher ateou fogo no próprio filho aumentou quando a filha de três anos dela, fruto do relacionamento com o padrasto do menino, contou que foi a mãe quem jogou álcool no garoto. Levada a um hospital para fazer curativo e, posteriormente, ao 24º Distrito Policial, em Ermelino Matarazzo, Sandra foi indiciada por torturar e tentar matar o filho.

'Acidente doméstico'
“Foi acidente doméstico”, rebateu a mulher ao falar ao G1, na manhã desta terça-feira, enquanto era transferida da delegacia para uma unidade prisional. A equipe de reportagem não conseguiu localizar seu advogado nesta quarta para comentar o assunto. O padrasto do menino, que é comerciante e tem 39 anos, não foi encontrado. Ele morava com Sandra na casa. Ele foi liberado pela polícia após ser ouvido na condição de testemunha. Em seu depoimento, afirmou que não viu nada.

A conselheira tutelar Maria do Céu Vara Macedo Oliveira esteve presente durante o depoimento dos dois e afirmou que irá dar informações para a Vara da Infância e Juventude, que determinará quem ficará com as crianças. O pai biológico do menino teria morrido. Já a menina deverá ficar com o comerciante. “Não havia histórico antes de maus tratos ou violência doméstica em relação ao casal”, disse a conselheira.
 
Fonte/G1